Genealogia Sobralense
<< Voltar


Esse trabalho é de muitos. Daqueles que nos precederam, legando-nos preciosos livros e aponta­mentos, daqueles que nos auxiliaram com a sua presente colaboração. 
José Pedro Soares Bulcão, nascido no Arraial ou S. Francisco da Urubu-retama a 13 de maio de 1873 e falecido em Fortaleza a 17 de julho de 1942, além de escritor e poeta, deve ser considerado o pai da genealogia nó' Ceará. As suas longas e pacientes pesquizas nos arquivos e cartórios deve a nossa terra uma soma imensa de dados amontoados em numerosos apontamentos. 
Oxalá consiga o ínsfiíuío do Ceará complefar o trabalho, em parte ini­ciado, de catalogar e encadernar tão valiosos papéis / Muito grafo ao Presidente do Instituto, General Carlos Sfudarf Filho e a seu benemérito sócio, Dr. Raimundo Girão, que nos facilitaram o acesso a tão copiosa e segura fonte.

D. ]osé Tupynambá da Frota, venerando bispo de Sobral e apaixonado cultor das memórias da sua ferra e da sua gente, havia formado o primeiro núcleo deste trabalho. Esboçou-o nas grandes linhas e desenvolvera mesmo vários ramos desta árvore genealógica, em demorados anos de consultas aos ricos documentos da sua Câmara Eclesiástica e à tradição oral. Com que generosidade permitiu-nos o abnegado pesquizador aproveitar o fruto de seus esforços / Em boa hora, os amigos publicaram, quase à sua revelia, a volumosa «História de Sobral» (Pia Sociedade de S. Paulo, Fortaleza, 1953, 700 ppj, da qual dizia que «sentia vergonha», porque não conseguira dar a última demão à alentada colheita de documentos que a compõem. 
Monsenhor Forfunafo Alves Linhares, nascido em Sobral aos 14 de outubro de 1869 e falecido na mesma cidade aos 91 anos, em 8 de dezembro de 1961, precedera a Dom José na sua faina. O autor das «Notas Histó­ricas da Cidade de Sobral» (Sobral, Comercial Gráfica, 110 pp.J, que tivera seu trabalho publicado na flevisfa do instituto do Ceará (tomo XXXVI, 1922), foi o grande colaborador de Mário Linhares, consagrado poeta, que aocultivo das musas aliou tão bem o mérito do genealogista de Os Linhares Retrospecto Genealógico, 1690-1954», já em 2 ª edição do ano de 1954 (Irmãos Pongetti Editores, Rio).   Muitas páginas de nosso trabalho são de Mário Linhares, tão generoso em franquear os tesouros de seus labores, como as delicadezas de seu coração. 
Fonte obrigatória de consultas sobre as famílias de Sobral e da Ribeira do Acaraú é o volume manuscrito das «Memórias do Capitão José de Xerez Furna Uchoa» escritas na segunda metade do século XV1Í1 e continuadas por Francisco Alves Linhares e por Manuel do Nascimento Alves Linhares, que andam copiadas com várias alterações e ciosamente guardadas pêlos seus possuidores.

Não seria justo omitir aqui o nome de Mons. Vicente Marfins. Seus livros «Homens e Vultos de Sobral», 1941, 336 pp., e «Diocese de Sobral, Subsídio para a História e Genealogia das Paróquias», Vol. I, 1944, Tip. Brasil, Fortaleza, 280 pp., ainda que se ressintam da pressa com que foram feitos, representam valioso auxílio para a história das famílias de Sobral e cidades vizinhas. 
Há ainda dois livros que não podem ficar esquecidos — a «Nobiliarchia Pernambucana» de Antônio Vitoriano José Borges da Fonseca, é imprescin­dível para quem quer chegar às raízes das muitas famílias que para aqui emigraram de Pernambuco. 
O «Diccionario Bio-Bibliographico Cearense», do Barão Guilherme Stu-dart (I vol. 1910, II v. 1913, III v. 1915 é o «De Viris lllusíribus» do Ceará. O fundador do Instituto é incontestavelmente o patriarca da hisíória da nossa província, pela alentada vastidão das suas obras e pela conscienciosa exatidão das suas informações. Muitas das nossas notas biográficas são devidas exclusivamente ao abnegado pesquizador.

Como preciosas fontes de informação não podemos deixar de mencionar também a «Revista Genealógica Brasileira», o «Anuário Genealógico Bra­sileiro» e as demais publicações do instituto Genealógico Brasileiro, diri­gidas pelo incansável genealogista Cel. Salvador de Moya. Citamo-las algu­mas vezes, lamentando não poder apresentar sempre as referências, como nem as das outras muitas publicações, de que nos valemos.

Restaria ainda enumerar muitas outras contribuições genealógicas par­ticulares, como as de Carlos Studart Filho, Raimundo Girão, Edison Severino Duarte, Jarbas Aragão, Francisco José Ramos Ferreira Gomes e outras que no momento nos escapam, de que nos servimos para as alianças dos Frotas com os membros de suas famílias.